3 Nov 2011

As marcas que os outros nos deixam

Quem - e o que - eu sou hoje e' um produto das marcas que os outros deixaram em mim, talvez mais ate' do que das minhas decisoes. Ser por causa dos outros. Sempre,sempre, os outros sao o que me fazem ser. E' uma ilusao achar que a responsabilidade da minha vida e' minha. Os outros, sao eles quem nos fazem.

E os outros nos fazem, e nos deixam marcas. Algumas mais permanentes do que outras. Algumas melhores. Outras irritantes. Algumas simplesmente belas, enquanto outras sao licoes, exemplos, sensacoes, tristezas. E ai as marcas sao as culpadas de tudo. Por que ri quando me disseram aquilo? Por que nao aceitei viver com voce? Por que segui esta carreira? Por que nao abracei meus avos enquanto podia? Por que escolho comer isso e nao aquilo? Por que nao gosto de pessoas barulhentas? Por que faco caridade, por que sou consumista, por que gosto de matematica e nao de livros? Pergunte para as marcas, elas sabem. Pergunte para os outros tambem. O que te dizem?

Existe uma maneira de viver sem ser marcado pelos outros? Eu tento imaginar como. Talvez sendo um psicopata?Talvez isolando-se numa ilha ou num mundo particular, ou na loucura? Ou talvez fazendo disso um projeto, viver sobre seus proprios termos e meios, sem se importar com ou receber a influecia alheia? Ou quem sabe encontrando uma obsessao particular, fora da qual nada mais importa? Imagino algumas formas. Mas nao servem para mim. Sera que servem para alguem?

Se servir, se viver sem marcas for uma maneira viavel de viver, eu nao a quero. Eu quero outra coisa. Quero que a minha vida nao seja um deserto. Nao quero esquecer. Quero ser beijada e depois nao conseguir dormir, com uma febre estranha. Quero marcas de ha tempos, de agora e de amanha. E mesmo quando me marcarem a ferro e fogo, saberei que essas feridas importam: elas me fazem mais forte, e mais sabia e, com alguma sorte e vontade, darao um significado estranho e inteiro para a minha vida.